quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Um pequeno flash do período Militar.


Caros amigos, estou novamente tomando a liberdade de invadir seus espaços e suas paciências com minhas narrativas que me são peculiares. Nascem em minha mente e fazem morada até amadurecerem para um belo dia eclodirem.
     Hoje tentarei não entrar no campo crítico da questão e sim relatar conforme minha ótica a “estória” da história. Bem alguns daqueles que procuram o endereço da cultura ao longo de suas jornadas adquirem conhecimento suficiente e autoridade para emitirem e formar opiniões. Exemplo: A grande mídia toda poderosa e sua pompa; onde podemos observar ao vivo a todo o instante; a imprensa marrom com suas calunias e inverdades; geralmente a serviço de um sistema corrupto paralelo. Outro tentáculo desse monstro que se abateu sobre nossas sombras, é a classe política, entidade que em um pacto de confiança os sufragamos com nossos sagrados votos para representar e defender nossas causas! Ledo engano, a grande maioria procede de forma contrária. Legislam somente em causa própria de forma corporativista e corrupta no sistema... “toma lá dá cá, ou é dando que se recebe”, regida pela famigerada governabilidade, que nada mais é que uma fábrica de corrupção, ignorando os seus objetivos sacrossantos, éticos e morais. Todos somos testemunhas ao vivo. Quero crer não haver aqui, qualquer inverdade. Temos ainda o judiciário, órgão regulador e fiscalizador que deveria se portar como o bastião da justiça e das leis, importantíssimas para o desempenho de uma democracia altiva e justa.  Infelizmente em nosso sistema atual encontra-se no mesmo plano que os demais poderes.
      Bem, vou sintonizar meu radar em outra direção. Nós, cidadãos desta nação em um percentual muito elevado, fechamos os olhos e assistimos de camarote passivamente; diga-se de passagem; a espetacular estratégia da esquerda untada com o lubrificante  vaselina... Com gosto de sorvete de morango e chocolate; a qual aderimos inerte; que agiu como sedativo psicológico, e com muitos méritos, explorando os pontos fracos com inteligência e com o auxílio da anistia dos exilados políticos. Conquistaram a presidência da República; de forma legal dentro da constituição;  com eleições livres e diretas. Só nos resta elogios. Todavia, tenho a lhes dizer que, a microcefalia, desonestidade e olho grande, é uma ótima receita, para se quebrar a cara. É o que a história política nos mostra desde os primórdios da civilização. O que aconteceu?!?... Embora os militares tenham assumido através de eleição indireta, a esquerda não conformada partiu para o confronto armado através de escaramuças guerrilheiras, porém sem alcançar êxito. Bem, o fim desse confronto foi, “Vencedor e vencido”. “Eu sou e sempre fui um inimigo da violência”. Porém, esse conflito seguiu seu curso natural. A ao vencedor às glorias da vitória... Aos vencidos, às agruras e o malogro da derrota. Ou alguém em sã consciência está achando que se o resultado fosse ao inverso, seria diferente?... A esquerda iria tratar seus presos com flores e caviar em um spa?... Por isso é que estranho muito a vitimização, o chororô e a insistência pelos maus tratos aos vencidos. Quem entra na chuva é para se molhar! Na guerra não há lugar para covardes, ou como dizia meu pai, Fúlvio Leite, em um dito popular: “quem não quer briga com gamba, não cria galinha!”... Tem que aguentar as consequências e chorar na cama que é lugar quente!
      Vamos lembrar que os militares lhes concederam ainda anistia geral e irrestrita para todos. Além de que os mesmos hoje recebem uma simpática pensão do governo por conta de terem sidos opositores e presos políticos. Outrossim, amigos, essa desventura que nossa sociedade acaba de assimilar vai se transformar em uma grande lição, pois a política é a arte ou ciência; talvez mais importante de uma nação; e jamais podemos negligenciar com pena de pagar um alto preço como acaba de acontecer conosco. E não é a primeira! Lembram-se do “Color”?...
    Quero aproveitar este texto para reintegrar minhas observações posteriores. Valorizem seus votos. Não brinquem com seriedade, elegendo os “Tiriricas da vida”. Pesquisem, e o mais importante... Não reeleja políticos parasitas e corruptos. Não se iludam. A maioria das lutas políticas “são pelo poder, travestido de idealismo”. Se não partir de nós a reação, “estará tudo como dantes no quartel de Abrantes”.
Bem, acho que deu para minha bolinha. Com muita modéstia espero me ter feito entender. Um grande abraço a todos. Até mais, bye bye...
                      “Pesquisem, analisem, pesquisem, analisem, pesquisem, analisem!”

sábado, 10 de fevereiro de 2018

NÃO REELEJA!


Amigos, saudações. Vou tentar deixar uma observação, talvez aos menos avisados com o intuito de uma parcela de contribuição, aos lamentáveis acontecimentos que nos envolve no momento. Um dos fatores com índice elevado de percentual, não tenham a menor dúvida chama-se “ REELEIÇÃO”, caros amigos. vamos acordar, por favor!... 
   O destino de nosso país está exclusivamente em nossas mãos, teremos que tomar consciência disso, valorizar e fazer uso desse nosso superpoder. Será que vamos continuar perpetuando no poder sempre os mesmos homens que afundaram nossa nação em corrupção ou em omissão?... Por quê? Se assim continuarmos procedendo nada teremos a reclamar. Temos que pesquisar com seriedade porque, lógico, não há regra sem exceção. Olha, vou insistir nesse termo “por favor” não reelejam esses infelizes facínoras... Parasitas que sugam nosso sangue como morcegos hematófagos. Precisamos urgente de repor nova oxigenação, extirpar o círculo vicioso! Aquela nuvem negra que paira em cima e em volta dos três poderes em Brasília. 
   Insisto, vamos eleger novos políticos, novas ideias. sem aqueles vícios e depravações que são peculiares aos políticos perpétuos. Todavia, não podemos baixar a guarda. Se os novos deixarem a desejar, os caçaremos com nossos votos nas próximas eleições. 
   É isso, na minha ótica, assim é que devemos proceder doravante, não apenas um paliativo para a próxima eleição! Esse é meu singelo, porém creio, importante alerta. 
  
  Rapaziada, pelo meu tamanho acho que já falei demais! Espero me ter feito entender. Aquele abraço e até mais! bye bye, love...   “Vamos nos unir, sempre alertas”

...Como disse Mário Quintana: "eles passarão... Nós, passarinho." E toda arrogância será castigada...
                    

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Ângela e Paulo Soneto

    Estarei nesse momento, novamente a tomar a liberdade de invadir seu precioso tempo. Espaço e paciência, para narrar mais uma experiência de meus textos. Espero não me tornar inconveniente. Trata-se de uma narrativa singela e comum, de um desencanto romântico fictício, entre Ângela e Paulo. A proveito para dar um refresco de descontração e fugir dos termos da atual conjuntura, saturada e desgastante, que predomina no momento, para algo mais tolerável e ameno, pelo menos sem propina e sem sangue. Pois bem, trata meu conto, de um romance frustrado de um jovem mancebo, que já conformado com sua desventura amorosa, lança mão de uma flamante mensagem em soneto como último expediente, na tentativa de tocar o cupido, e reverter a obstinada situação. Eis na integra o desabafo de Paulo...]

Minha querida Ângela, não é preciso dizer, seus olhos estão dizendo, estou perdendo você e por isso estou sofrendo. No seu modo de olhar, na frieza dos seus beijos, eu sei não sou mais aquele, que matava seus desejos. É uma paixão terrível, a gente ver de repente, a pessoa mais querida nos deixando lentamente, vou precisar de muita força, na hora da despedida, ou serei mais um boêmio nas madrugadas da vida.”.

    Com essas palavras Paulo joga a toalha e encerra seu período de tentativas e assédios, na esperança de reconciliação. Seguindo sua nova jornada e seu destino.... A todos um abração. Grato, até a próxima. 31/01/17.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

O FIM DE UMA SAGA.


Saudações,
Amigos estamos todos os dias lamentavelmente, a ser bombardeado pela mídia com novas informação de políticos a se digladiarem, nas aguas turvas e dejetos, de um imenso mar de corrupção. A grande maioria desses indivíduos se equivalem. Todavia tenho a dizer que o cidadão em sã consciência de seu livre arbítrio e liberdade de pensamento, tem plena consciência que o PT, sua cúpula e tropa de choque, não foram os inventores da corrupção, lógico! Ela constitui-se, de um mal que nos aflige desde os primórdios dos tempos, provavelmente desde que nossos ancestrais silvícolas faziam das árvores sua proteção e as cavernas sua moradia.
           Esse infortúnio nos acompanha passo a passo no cotidiano. Raríssimas são as exceções, de pessoas que já não tenham cometido alguma forma de levar vantagem ilícita por mais singela que seja. Porém essa convulsão compulsiva, não outorga a ninguém o direito da aplicação e prática de regras e princípios desonestos. Se em gestões passadas ouve essa espécie de equívocos e conivência que acabou chegando até nós, não podemos cometer o mesmo engano. Temos que possuir nesse momento o sentimento de repúdio e deflagrar a cápsula que irá explodir e estancar o sinistro que nos assola... Para que no futuro nossos descendentes não tenham que passar pela mesma adversidade. Não podemos fechar os olhos; aliás, “o pior cego é aquele que não quer enxergar”; portanto amigos, não estou a bajular, nem protegendo. Estou apenas transportando para esse texto a visão que minha ótica encontrou nos atuais eventos políticos.
           Outrossim, devo salientar, que não estou aqui a queimar meus neurônios, e não irei baixar meu nível para defender políticos, siglas partidárias e outros facínoras. Meu objetivo e prioridade é a defesa e o resguardo da democracia, a moral e ética. Estou sim, lamentando e ao mesmo tempo a incriminar os governantes atuais de nossa nação, pelo péssimo desempenho administrativo e moral. Não precisamos de olho clínico para sentir o parafuso em que o Brasil mergulhou. Mesmo um leigo consegue facilmente sentir o efeito e a repercussão da crise. Escrevo esse texto crítico, sem cor partidária e sem dolo, de forma independente. Porém vou me ater, aos responsáveis e causadores de toda essa crise: “Lula e sua quadrilha”! Isso poderá custar-lhes o mandato da presidência. O que é lamentável sobre todos os aspectos... Não havia necessidade desse expediente pois o povo brasileiro confiou, deu-lhe apoio maciço elegendo-o presidente com grande maioria... Um casamento perfeito. É o caso de nos indagarmos: O que leva alguém possuindo o poder e o apoio da maioria dos brasileiros, nadando em prestígio, abandonar o caminho livre e desimpedido de vencedor, para ingressar em um rumo pedregoso e desonesto da corrupção, e a jogar tudo por água a baixo? Veja no que deu! Vou arriscar uma opinião, quero crer que os 7 pecados capitais iriam se encaixar como uma luva nesses motivos. Amigos, depois dessa surpreendente decepção, estamos em uma encruzilhada sem destino.
           E agora... Em quem confiar? Realmente é incrível como estamos carentes de homens públicos com caráter. Trocar Dilma por Temer é trocar seis por meia dúzia. Bem, precisávamos passar o brasil a limpo. Me parece que pelo desenrolar dos acontecimentos isso pode ocorrer. Mas somente isso não basta, os salvadores da pátria estão de plantão, como diria um amigo meu. “Mas, por favor!” Vamos nos esforçar para não incorrermos no mesmo erro. Não concedermos nosso aval a salvadores e paraquedistas, para não termos que repetir tudo novamente.
           Para finalizar, “Não há regra sem exceção“ e me sinto na fronteira da mágoa e da dor. Mas, a justiça e a verdade, sempre prevaleceu... Acredito que não será diferente desta feita. Vamos aguardar!
Espero ter me feito entender... Até a próxima! Grato...

Luiz E. Leite. 23/04/2016.

Revisão: Aquiles Grego

quinta-feira, 24 de março de 2016

O preço da negligência.

CRÔNICA DE LUIZ EDGAR LEITE
O preço da negligência.
Trata- se de uma crônica crítica caseira, sobre o asfalto do Balneário Rincão.
Existem certos episódios em nosso cotidiano que nos deixam perplexos... A ignorar alguns comportamentos e atitudes, sem critério de responsabilidade. Para variar, de algumas pessoas públicas. Cidadãos esses que persuadiram a sociedade a depositar-lhes confiança irrestrita, outorgando-lhes seus avais nas urnas, para que esses ditos políticos nos representem e desenvolvam suas funções, no mínimo dentro do mais alto grau de honestidade e transparência, prestando conta de seus atos a quem interessar possa.
Pois bem as linhas do meu texto de hoje, têm o endereço da Prefeitura do Balneário Rincão. Um recém emancipado município. Não vai aqui julgamento generalizado de sua administração, até porque, observo que está sendo realizado até o momento, uma boa gestão. Minha reclamatória vai de encontro a uma ocorrência especifica e isolada. Pois bem, amigos (as)... Tenho residência na zona sul desse Município onde veraneio localizado nas imediações do mercado Beira Mar, por isso, posso comentar de cadeira; embora o problema esteja localizado nessa região; atinge e prejudica a todos que por ali transitam. A questão em pauta é um trecho de asfalto iniciado e “terminado” a cerca de um ano. Pois bem, aqui encontra-se o “xis” do problema! Para quem não conhece o local vou tentar ilustrar a área física. Não tenho dados oficiais mas me orientarei no “olhômetro”. Trata-se de aproximadamente mil metros de pavimentação asfáltica com umas 10 quadras nesse percurso, na rua Antônio Pagani, que tem início em frente ao mercado aqui já citado. Acompanhei passo a passo o desenrolar dessa obra. Ficamos todos eufóricos e felizes ao entender que após muitos anos, enfim iriamos nos libertar de muitos anos de indesejável transtorno. Chegamos a comentar: “Finalmente alguém com visão, bom senso e vontade, para realizar esse benefício por demais almejado!”. Mero engano, amigos. Só decepção! O que aconteceu realmente, foi o seguinte: quando o trabalho estava chegando aos últimos metros de seu encerramento, o asfalto lá do início já começou a dar sinal de sua péssima qualificação; mão-de-obra ou do material empregado. Sua deterioração foi rápida e rasteira... Surgiram alguns buracos... foram se multiplicando até chegar na deplorável e surpreende situação que se encontra hoje. O que nos deixou pasmos, foi o curto espaço de tempo que isso ocorreu! “Prazo zero” e a situação voltou praticamente ao que era. Frustrante, não? Quem quiser conferir minhas palavras é só dar uma passadinha por lá.
Em síntese, com a palavra alguém responsável, por favor!... Merecemos uma explicação plausível: por que isso está OCORRENDO? E o prejuízo aos cofres públicos? Precisamos de solução sem mais demora. Esse é o meu desconforto sobre esse dilema.
Grato abraço, até a próxima. L. E. L. 23/03/2016.


Revisão: Aquiles Grego

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Indústria da multa

Estava eu há não muito tempo navegando pela internet, mais precisamente no facebook, senão quando, me deparei com um “quadro” de críticas para mim lamentavelmente sem nexo, falta de critério e consciência.                                                        
       Análise essa, expressa por uma senhora que se achava repleta de entendimentos ou razão. Pensei cá com meus botões que essas pessoas deveriam fazer um ato de mea-culpa antes de urdir e destilar suas iras, em comentários plenamente dispensáveis que surgem normalmente em nosso dia-a-dia. Sobretudo, sendo em um veículo de comunicação com tão alto poder de repercussão, formador de opiniões que ressoa aos quatro ventos. Pois bem: Essa “distinta” senhora fez uma severa e veemente crítica a dois funcionários de um órgão, que ministram multa de trânsito. Segundo a foto no face, os dois trabalhadores estavam no canteiro central da avenida em campana, ocultos atrás de um coqueiro ornamental onde passa a corrente elétrica com seu instrumento de trabalho... Um “radar”, multando os motorista que não respeitam as leis do trânsito. A propósito, devo ressaltar, é claro, que sou contra qualquer injustiça, muito mais a da indústria da multa. Bem, em ato contínuo, relatarei sua reação verbal: “-- Ladrões, safados... Deveria lhes cair um fio de alta tensão em cima e eletrocutá-los!”.
      Agora, vamos a explanar a injustiça cometida... Vamos convir; Primeiro que os funcionários são meros coadjuvantes no processo, estão apenas cumpriam suas obrigações, portanto inocentes. Nesse caso temos que dirigir nossas reclamatórias e reivindicações a quem de direito. Se a lei foi estabelecida... Ponto final, justa ou não, tem que ser cumprida. Outrossim, gostaria de dar um lembrete a essa senhora e aos que assim procedem: Não seria mais correto, educado e menos cruel, obedecer a lei? Simples! Ninguém seria multado, tampouco se multaria. Havemos de rever certos conceito.
        Nesse comentário encontramos dois vilões: A mulher e o infrator. Para encerrar, vou invocar um velho Adágio Bíblico: “Dai a Deus o que é de Deus, e a César o que é de César”... E um provérbio popular que o meu saudoso pai sempre lembrava:
...“Quem não quer briga com gamba, não cria galinha”!

...Queres honestidade e ser honesto, obedeça as leis.

Luiz E. Leite.  Abraços até a próxima...     
                                                                                                                     Revisão: Aquiles Grego

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

AGRADECIMENTOS À CÂMARA DE VEREADORES DO BALNEÁRIO RINCÃO



AGRADECIMENTO



Esse é o reconhecimento da família Fúlvio Leite que vem, através de seus filhos, muito respeitosa e penhoradamente utilizar-se desse expediente para agradecer ao honorável corpo de vereadores desse jovem e promissor município, “Balneário Rincão”, pela homenagem ímpar, concedida a nosso inesquecível e saudoso patriarca, Fúlvio Leite.

     Ele foi agraciado pelo prestigioso aval dos nobres vereadores que designaram seu nome para uma rua desse município, o qual muito nos envaidece e orgulha. Nós, filhos: Luiz, Elizabete, Odilon, Edson, Plinio e todos os demais membros, integrantes da família, lhes somos eternamente gratos. Queremos também agradecer a todos que colaboraram de alguma forma, e de maneira especial três membros desta casa. A nobre vereadora Lidiana Vieira Santos, o nobre vereador Carlito Rosso e o presidente Airtom Ferreira. Carinhosamente desejamos a vocês muitas felicidades, saúde e vida longa. Quisera nós, simples mortais, podermos algum dia possuir o poder de resgate e retribuição dessa homenagem. Vamos fazer votos que sim.

     Concluindo esse feliz sentimento de gratidão, deixamos essas linhas com muito afeto e o sentimento do dever comprido. Muito obrigado...!

    Luiz Edgar Leite.

Balneário Rincão 01/09/2015.